The Future of Democracy/O futuro da democracia

I was interviewed by Luiz Eduardo Garcia da Silva for the BRaS blog about the future of democracy in Brazil. The interview in English can be read here.

Segue a entrevista em português. Agradeço a Luiz Eduardo Garcia da Silva, Anna Paula Bennech, Cláudia Pires e Giovanna Imbernon. A entrevista foi feita por e-mail em fevereiro de 2021.

 

Muito se fala sobre as “promessas não cumpridas” da República Brasileira e a incompletude do ciclo da construção de cidadania. Ainda hoje, é possível verificarmos que o Brasil é uma “República que não foi” ou então uma “democracia incompleta”. Nesse sentido, como o senhor vê o atual momento da política brasileira e o que se pode dizer em relação a uma sociedade que, desde as jornadas de 2013, apresenta-se cada vez mais com feições ultraconservadoras, ilustradas pela eleição de Jair Bolsonaro em 2018?

É difícil ser otimista e acho que Millôr estava certo quando dizia que o Brasil tem um “longo passado pela frente”. Aliás, Carlos Heitor Cony dizia que “o otimista é apenas um sujeito mal informado”. Para além das boutades, penso que temos uma situação apavorante hoje no Brasil. Quando a ex-presidente Dilma Rousseff nos visitou em Princeton, no ano seguinte ao golpe parlamentar que a destituiu, ela disse algo interessante sobre o aumento generalizado do poder de consumo durante a era Lula: segundo ela, as pessoas desejam, e desejam sempre mais. Ou seja, o impulso econômico gerou um conjunto imenso de expectativas a que a década passada não conseguiu, ou talvez não pudesse responder. É claro que não se trata de uma mecânica simples, como se a demanda por bens de consumo pudesse explicar tudo. Mas creio que o ponto zero do desvio autoritário que estamos vendo hoje no Brasil foi o encontro da agenda moral com a insatisfação econômica. No plano moral, estão a (justa) revolta contra a corrupção e a demonização do PT; no plano econômico, a insatisfação foi capitalizada por uma agenda regressiva, que vê os direitos adquiridos durante a redemocratização como espúrios. É uma equação complexa, que aqui estou resumindo muito. Mas acho que é possível dizer que o ovo da serpente está aí, na manipulação do ressentimento das pessoas. Paradoxalmente, as conquistas do período democrático acabam sendo vistas como culpadas pelo descalabro econômico e pela falência do futuro.

As décadas de 1920 e 1930 configuram um momento específico em que muitos autores se desafiaram a explicar o Brasil – os chamados “Intérpretes do Brasil”. Período de construção do Estado nacional, havia uma disputa de narrativas sobre qual seria o melhor caminho para se chegar à modernidade, sendo esta entendida de diferentes formas. Atualmente, vivemos um momento político crítico, de realinhamento de forças políticas e de desgaste do regime democrático. Quais as novas matrizes teóricas dessa nova onda de intérpretes do Brasil (Jessé Souza, Lilia Schwarcz, Leonardo Avritzer, Luiz Eduardo Soares)?

Eu somaria, à lista dos atuais “intérpretes do Brasil”, artistas como Emicida, Adriana Varejão ou Chico Buarque, e escritores como Djamila Ribeiro e Silvio Almeida. O ensaísmo das décadas de 1920 e 1930 ganhou novas formas, isso é certo. Um documentário-aula-concerto como “AmarElo”, de Emicida, é um grande feito “hermenêutico”, para usar um termo filosófico. Com Emicida, podemos compreender uma vasta dívida histórica, por meio da visibilização daquilo que, há cem anos, era visto como uma herança a ser superada, isto é, as mazelas da escravidão que permanecem na República. O ponto pacífico de todas as interpretações, mesmo que ele não se verbalize desta forma, é que depois da Abolição, em 1888, o corpo escravo foi jogado na praça pública sem que uma rede de direitos o acolhesse. Por isso a urgência, hoje, de passar a limpo a fábrica de mitos que projeta o Brasil como um paraíso pós-racial. É indecoroso defender essa tese hoje em dia, mas é sintomático que o atual governo federal o faça, como se pode escutar em declarações do Presidente e de seu Vice. Mas a ignorância orgulhosa dos bolsonaristas e o baixo nível mental e retórico do Presidente da República não nos deve enganar. Em meio às trapalhadas dos ministros-generais e à incompetência crônica dos membros do atual governo, há um plano que vai sendo executado surdamente: a desmontagem da rede de direitos conquistada na redemocratização. O fato de que o Presidente seja um nostálgico da ditadura é por demais significativo. Isso está nas análises dos quatro intelectuais que você cita. Dentre eles, creio que Luiz Eduardo Soares é quem talvez mais perto chegue de um problema que me parece central para a interpretação do Brasil contemporâneo: a importância e o crescimento dos movimentos evangélicos. Esses movimentos são plurais, evidentemente, mas o recrudescimento da agenda moral, bem como a difusa teologia da prosperidade que a sustenta, têm muito a ver com o avanço dessa agenda que, assim como os intérpretes que você cita, eu vejo como fundamentalmente regressiva. Ou seja, talvez o próximo “Raízes do Brasil” tenha que ser um enfrentamento profundo e novo da questão evangélica no País. Penso que é só por aí que poderemos captar as correntes profundas de uma mudança que está em curso e que envolve enormes parcelas de uma população historicamente alijada de direitos, e que reencontra um sentido de comunidade na igreja. Para voltar a Emicida como intérprete da coletividade, não é por acaso que o tom de sua leitura do Brasil seja abertamente messiânico. Há algo muito profundo aí, que ainda temos que investigar.

A constituição e a manutenção de clãs políticos que se arvoram nas instâncias de poder, bem como a dificuldade na cisão entre o público e privado, entre Estado e a família, são desígnios que caracterizam as gestões políticas no Brasil. Sérgio Buarque descreve o homem cordial como um sujeito que possui “o desejo de estabelecer intimidade e o horror a qualquer convencionalismo ou formalismo social”. Estaríamos vendo a materialização fiel do homem cordial na Presidência da República?

Completamente. Eu tenho dito com todas as letras em minhas palestras sobre Sérgio Buarque de Holanda: a família Bolsonaro é a quintessência da cordialidade. Não se trata mais de simples “confusão” entre o público e o privado. Temos agora um projeto que torna o aparato representativo da democracia liberal totalmente obsoleto. Sabemos que não se trata de um fenômeno exclusivamente brasileiro, mas o autoritarismo, como o estudou Lilia Schwarcz, tem raízes profundas na prática personalista que torna as máscaras da representação política desnecessárias. O tom “descontraído” e frequentemente mal-educado de Bolsonaro curiosamente cria uma conexão profunda com largas camadas da população, que se veem representadas por ele, ou nele. Há nisso também um ressentimento e uma ojeriza pela fala melíflua dos intelectuais, o que é um problema fascinante. Há também esse fenômeno paradoxal que são as mulheres que adoram um líder misógino. Bolsonaro solta as travas da civilidade e deixa solto o monstro que todos temos em nós. Isso é a falência do pacto político, que pressupõe a contenção do impulso individual e a construção de um horizonte coletivo. Ou seja, exatamente aquilo que se postulava — um tanto confusamente, é verdade — em Raízes do Brasil: com o homem cordial, não há futuro possível.

O Brasil tem consistentemente vivido momentos turbulentos. Conflitos sociais, violência policial nas periferias, aumento da desigualdade econômica, a questão racial reemergindo. Paralelamente, observamos o crescimento de segmentos sociais afeitos a ideologias ultraconservadoras e retrógadas. Podemos dizer que o Brasil abdicou de seu caminho rumo à modernidade não apenas no sentido de desenvolvimento econômico, como também no quanto aos valores e às práticas comuns compartilhadas (democracia, imparcialidade jurídica, republicanismo, solidariedade)?

Infelizmente acho que sim, que há uma abdicação do futuro nas práticas políticas atuais no Brasil. A condução da pandemia é um sinal gritante de que o futuro republicano está sendo rifado. Quando o Presidente diz “e daí, who cares?”, ou quando diz que todos vão morrer mesmo, ele está dando voz a um sentimento incrustado no ser humano, que a civilização deveria conter. Acho que é uma questão mais que simplesmente política, porque ela tem a ver com a natureza humana. Ou seja, não se trata apenas da implementação desta ou daquela política pública, mas sim de uma batalha pela conquista da alma, e sem essa alma não há democracia nem republicanismo. O papel da religião aí é complexo, e é por isso que eu dizia há pouco que os movimentos evangélicos são plurais. Penso que a agulha do futuro ainda pode apontar para a solidariedade, mas isso depende de como vai se jogar esse horizonte “evangélico” no xadrez político. Acho que o grande “asset” da política hoje no Brasil são as grandes comunidades evangélicas. Isso é desconfortável para quem, como eu, defende um horizonte laico para a esfera pública. Mas as esquerdas terão que se haver com esse casamento impossível das demandas mais progressistas com o lastro conservador que orienta parte importante da “alma brasileira”. Ou a esquerda resolve essa equação, ou a batalha está perdida, como aliás acontece agora no Brasil. Já a imparcialidade jurídica é um capítulo à parte, que para ser entendido teria que contemplar, segundo penso, não só esses valores regressivos que vão ganhando terreno inclusive no STF, mas também a espetacularização da Justiça. A Lava-jato é incompreensível sem a mobilização midiática através da qual a Justiça se tornou uma máquina de fazer política. Não são mais os “checks and balances” que estão em questão, como num bom sistema democrático. A Justiça é uma espécie de instância suprema, como se o Juízo Final pudesse vir dali. E talvez venha, um dia.

Expressões como “de 15 em 15 anos o Brasil se esquece dos últimos 15 anos” (Ivan Lessa), ou “o Brasil tem um enorme passado pela frente” (Millôr Fernandes) indicam que a sociedade brasileira possui uma incapacidade de resolução e rememoração dos entraves sociais que compõem nossa trajetória histórica. Exemplo, diferentemente de outros países da América Latina, o Brasil nunca julgou os crimes cometidos durante a ditadura militar. Ou então, a despeito dos séculos de escravidão e de todas as consequências que até hoje impactam diretamente a sociedade brasileira, muitos ainda negam a existência do racismo no Brasil. Por qual razão existe esse tabu de parte dos brasileiros em confrontar seu passado?

É uma pergunta difícil e importante. Parece até uma questão metafísica: qual é o “ser” do Brasil, que nos leva insistentemente ao passado e não nos deixa avançar? Os ensaios das décadas de 1920 e 1930, de que falávamos acima, deram respostas variadas a essa questão. Mas para todos eles o problema era o que fazer com o passado, como agenciá-lo, ressignificá-lo, superá-lo (como queria Caio Prado Jr.) ou conservá-lo nas suas supostas qualidades (como queria Gilberto Freyre). Acho que o caminho é a conscientização sobre o passado, sem mitificá-lo. Precisamos de menos heróis e mais processo social. Os liberais de cem anos atrás pregavam uma cruzada educativa como solução para todos os males. Talvez ela seja insuficiente, mas o fato é que só entendendo o passado poderemos superá-lo. É claro que essas cruzadas educativas são inúteis e se tornam patéticas diante da força das imensas bolhas de fake news, que são propagadas e consumidas sem nenhuma vergonha. Mesmo assim, é preciso falar do passado e aprender a mexer com ele. Quando uma pessoa deita no divã do analista, ela aprende a mexer com seu próprio passado para não ser mais refém dele. O passado nunca vai embora, mas é possível tê-lo como trampolim para outra coisa. É claro que, com toda a desigualdade que há no Brasil, a mudança não pode ser apenas mental. Não se vai para frente apenas com o cérebro. As estruturas mentais e sociais são iníquas, e livrar-se delas leva muito tempo. Talvez eu seja otimista, mas não sei se sou apenas uma pessoa mal informada… Como dizia Kafka, há esperança, só que não para nós.

 

 

Share your thoughts