Pedro Meira Monteiro

Parte da paisagem

Recolhimento, concentração, precipitação. Ou, pelo contrário, exposição, soltura e dispersão. Nestes poemas, como num espasmo, a abertura inquieta desemboca muitas vezes no espanto de quem subitamente para, sabendo que as palavras serão os resíduos, apenas, do quase indizível. É um mundo de quases, que os leitores já terão aprendido a apreciar nas vozes que guiam os personagens de Adriana Lisboa, alheios aos gestos heroicos e afeitos à elaboração vasta, porém breve, da música que soa ao fundo, tanto na prosa como na poesia.

Comments are closed.

Pedro Meira Monteiro