Pedro Meira Monteiro

Monthly Archives

February 2011

De onde, exatamente, o sopro?

Quando se ouve Bidu Sayão cantando a famosa aria (“Cantilena”)  da Bachiana Brasileira n.5, para soprano e oito violoncelos, é muito difícil resistir a ser tomado, como ela, pelo que a frase melódica oferece. Mas há algo sobre o arranque, o primeiro ruído que rompe o silêncio, quando se retoma a frase que havia sido deixada para trás. Algo que acontece exatamente aos cinco minutos e meio da ária gravada. O que se ouve então é o som que sai sem voz, com a boca fechada, lábios tesos, e a alma… Onde a alma, naquele momento?Talvez, naquele momento, a alma quisesse sair. E Bidu Sayão a aprisiona. O resultado é o que se ouve.Ouça-se.

des compondo

C o m p o      n             d           o

O momento da dissolução: quando o que esperávamos composto se descompõe.

Mas há mesmo o momento da dissolução?